sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Espinheira Santa

Nome científico: Maytenus ilicifolia
     Nome popular: espinheira santa, cancerosa-de-sete-espinhos, cancrosa, contorça, maiteno, salva-vidas, sombra-de-touro, erva-santa.
     Sin. Maytenus angustior, Maytenus muelleri, Maytenus hassleri, Maytenus spinifolium
     Família: Celastraceae
     Parte usada: folhas
     Origem: sul e sudeste do Brasil
     Princípios ativos: taninos, flavonóides, mucilagens, terpenos (maitensina, maitomprina, maitambutina, e maitolidiana) e sais de ferro, enxofre, sódio e cálcio.
     Ação da espinheira santa:
     Possui uma propriedade tonificante (por reintegração das funções estomacais);
     Potente ação anti-úlcera gástrica (tanino);
     Cicatrizante de lesão ulcerosa;
     Potente ação sobre fermentações gastrintestinais (devido à ação anti-séptica);
     Age sobre o fígado (devido às perturbações intestinais);
     Acalma as gastralgias (devido ao estímulo e correção das funções).
     Indicações:
     Tonificante, anti-úlcera, carminativa, cicatrizante, anti-séptica, levemente diurética e laxativa.
     Espinheira santa e pesquisas:
     1922 - Aluízio Franca (professor da faculdade de Medicina do Paraná) relatou o sucesso obtido no tratamento da úlcera gástrica.
     1991 - em estudo farmacológico foi demonstrado a sua potente ação anti-ulcerogênica. Neste estudo foi comparada com a ranitidina e cimetidina. O simples chá foi tanto eficiente quanto as duas principais drogas.
Obs. Nos EUA vem sendo usada como anti-úlcera, para recomposição da flora intestinal e inibição de bactérias patogênicas.
     Formas de uso:
     É indicado o chá antes das refeições.
O professor Sylvio Panizza, na obra: Plantas que Curam (Cheiro de Mato) de 1998; 3a- edição. Ibrasa, São Paulo. Pág. 280, ensina o preparo da seguinte forma:
     1 colher (sobremesa) de folhas picadas, para uma xícara (chá) de água fervente, antes das refeições.

     Cuidados/contra-indicações:     Não usar na gravidez, lactação e pessoas com hipersensibilidade.
     Tempo de administração:
     o tempo que se fizer necessário
     REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
     
BERTOLUCCI, S. K. V.; CAPPELLE E. R.; PINHEIRO R. C., Manipulação de Fitoterápicos; Lavras: UFLA/FAEPE, 2001.
     DRECHER, L. Herbanário da Terra – Plantas e Receitas. Ed. Arpa, Laranja Da Terra – ES. p. 64; 2001
     LORENZI, H.: Árvores Brasileiras – Manual de Identificação e Cultivo de Plantas e Árvores Nativas do Brasil. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, Vol I – 4ª. edição. p. 131. 2002
     LORENZI, H.; Matos, F. J. A. Plantas Medicinais no Brasil – Nativas e Exóticas. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, p. 220- 221; 2002
     PANIZZA, S. Plantas que Curam – Cheiro de Mato. São Paulo: Ibrasa, 25ª. edição. p. 116 – 117, 239; 1997
     TESKE, M.; TRENTINI, A. M. M. Herbarium – Compêndio de Fitoterapia, 4ª. edição, Curitiba – PR

* por Gilson Giombeli
www.harmonianatural.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário